MENU MESETA IBÉRICA- KM0

O Menu Meseta Ibérica é constituído, na sua maioria, por alimentos de produção local, respeitando a sazonalidade regional dos produtos (quando aplicável). Este deve integrar, quanto possível: sopa e/ou entrada, prato principal, pão, vinho ou outra bebida, sobremesa, digestivo.

No estabelecimento, o Menu é apresentado em documento próprio com folheto explicativo do conceito Km Zero. No entanto, o cliente não é obrigado a escolher o menu completo.

 

Porquê um Menu Km Zero?

Tendo consciência da responsabilidade de todos, a Reserva da Biosfera Transfronteiriça Meseta Ibérica pretende cumprir os objetivos centrais da abordagem local food, incentivando um futuro melhor através da dinamização do consumo de alimentos produzidos localmente e da valorização da gastronomia e das técnicas de produção tradicionais. Com esta iniciativa, promove-se a gestão sustentável dos recursos energéticos e diminuição da pegada ecológica alimentar, estabelecem-se ligações diretas entre os produtores e os consumidores, revitalizam-se as estruturas de produção, transformação e distribuição e constroem-se de redes de relações entre produtores e empresários.

 

KM ZERO

Este conceito assenta na constituição e promoção de uma cadeia alimentar de base local e numa política de promoção do consumo de alimentos de produção local que contribui para a sustentabilidade e economia local.

O KM ZERO TEM OS SEGUINTES PRINCÍPIOS:

· Gestão sustentável dos recursos energéticos e diminuição da pegada ecológica alimentar, reduzindo a energia necessária para que os alimentos cheguem do local de produção ao seu destino final;

· Estimular a soberania alimentar e a produção local, diminuindo o grau de dependência alimentar externa;

· Promoção de economia local, ao estimular o trabalho e a circulação económica dentre uma comunidade e região;

· Preservação da biodiversidade e proteção das técnicas de produção tradicionais, valorizando as variedades locais e facilitando a rentabilidade económica da opção pela agricultura biológica;

· Valorização da gastronomia tradicional através do fornecimento de produtos específicos de origem local e de elevada qualidade.

SLOW FOOD

"Compre fresco, compre local!"

Este é mote da plataforma para divulgação da produção e comercialização de produtos locais, inspirado nos conceitos de Slow food e Km Zero.

Estes conceitos vão contra o sistema organizado globalmente em que os alimentos percorrem grandes distâncias, são controlados por empresas gigantescas e estão "embrulhados" em problemas sociais, ambientais e nutricionais.

O Slow Food é um movimento internacional que nasceu em Itália na década de 1980 para se contrapor à disseminação do fastfood e aos efeitos da "fast life". Parte da premissa que o alimento é o principal fator de definição da identidade humana, sendo o que comemos um produto cultural. Os principais valores do movimento Slow Food são a salvaguarda da biodiversidade, a preservação do meio ambiente e a justa remuneração dos produtores.

Se "comer é um ato agrícola", como disse o poeta agricultor Wendell Berry, a produção de alimentos deve ser considerada, então, um ato gastronómico.

 

O consumidor, com as suas escolhas, orienta o mercado e a produção, e ao tornar-se consciente destes processos, pode assumir um novo papel. O consumo, desta forma, torna-se parte de um ato produtivo e o consumidor, um coprodutor.

O produtor desempenha um papel fundamental neste processo, trabalhando para alcançar a qualidade.

O alimento de qualidade dever ser: Bom, limpo e justo.

BOM

Representa um alimento saboroso, que satisfaça os sentidos e seja parte da cultura local. O sabor e o aroma de um alimento reconhecível pelos sentidos são o resultado do bom trabalho do produtor e da escolha de matérias-primas e métodos de produção que não devem alterar a sua naturalidade.

LIMPO

Por ter sido produzido com respeito pelo meio ambiente, bem-estar animal e pela saúde humana: O meio ambiente deve ser respeitado, devendo ser implementadas práticas sustentáveis de cultivo, criação, processamento, marketing e consumo. Cada etapa da cadeia de produção agroindustrial, incluindo-se o consumo, deve preservar os ecossistemas e a biodiversidade, defendendo a saúde do consumidor e do produtor.

JUSTO

Por ter preços acessíveis aos consumidores e com uma remuneração adequada para os produtores: É importante que haja justiça social, adotando-se condições de trabalho que respeitem o ser humano e os seus direitos, promovendo-se assim uma economia global equilibrada.